SITE DE POESIA E PROSA DO ESCRITOR
Digite aqui o assunto que deseja procurar dentro do Site e aperte a tecla "Enter" ou clique no botão "Pesquisar".
Escrevendo Belas Artes!
Conheçam a arte escrita de Jair F. da Silva Jr., membro da Academia de Letras do Brasil - ALB.
CapaCapa
Meu DiárioMeu Diário
FotosFotos
PerfilPerfil
PrêmiosPrêmios
Livro de VisitasLivro de Visitas
ContatoContato
LinksLinks
Meu Diário
10/04/2016 19h36
(Foto: Presidente Geral da Academia de Letras do Brasil - ALB, Dr. Mario Roberto Carabajal Lopes.)

(cliquem aqui para verem as fotos da solenidade)

 

 

CARTA DE AGRADECIMENTO À ACADEMIA DE LETRAS DO BRASIL – ALB PELO HONROSO TÍTULO A MIM CONFERIDO

 

Na noite de 05 de dezembro de 2015, no auditório do SESC de São José do Rio Preto - SP, foi realizada a solenidade que tinha por finalidade instalar uma seccional da Academia de Letras do Brasil - ALB no município e dar posse aos novos Imortais.

 

Tocados por Euterpe, o renomado maestro Imortal Paulo de Tarso (formado pela USP, ao piano) e o talentoso violinista Paulo Arroyo (da Camerata Jovem Beethoven, filho da artista plástica Imortal Jane Arroyo) honraram a Apolo com interpretações tocantes, dignas das lágrimas dos presentes!

 

Foi nessa belíssima e emocionante cerimônia que tive a honra de ser empossado como Imortal da nobre Academia! 


Agradeço à ALB, ao Presidente Geral, Dr. Mario Roberto Carabajal Lopes, à querida Imortal Cecília Dionizio, Vice-presidente da seccional de São José do Rio Preto-SP e a todos os presentes na cerimônia por tamanha honra, por me proporcionarem esse momento único, mas agradeço em especial à Presidente da referida seccional, minha grande e estimada amiga Roseli Arruda, que tornou possível minha diplomação ao acreditar em mim como Ser Humano e como artista, por sempre me incluir em seus grandiosos projetos humanísticos e por lutar para levar minha arte ao público!

 

Também agradeço em especial aos meus pais não só por tornarem possível minha presença na solenidade, mas também pelo apoio e sacrifício de sempre!

 

---

 

Quando li sobre a ALB pela primeira vez, o que mais me chamou atenção foram as palavras “Ordem de Platão”!

 

Logo me lembrei da primeira Universidade do mundo, a ACADEMIA DE PLATÃO na Grécia Antiga! Falando de forma bem singela, a Academia era um lugar para filosofar e desenvolver novos saberes, para educar a alma através do uso da razão inspirada pela arte; era um lugar de culto à língua e à literatura, à matemática, à música e à beleza na constante busca pelo ritmo e harmonia da alma que nos levam ao cultivo da sabedoria e das virtudes! A Academia era um lugar de diálogo, de livre-pensamento e liberdade de expressão.

 

Pensando nisso, fica fácil ver muito da Academia de Platão em nossa Academia, mas há um outro lado da Academia de Platão que destoa muito da nossa e pode levar algumas pessoas a verem nisso uma contradição, uma grande quebra de harmonia! No entanto, vejo isso apenas como aquelas dissonâncias e quebras de ritmo que tornam mais belas, profundas e dramáticas as melodias! Se a Academia de Platão é o tema da Música das Esferas, certamente a nossa Academia é uma variação desse tema!

 

Por que não vamos direto ao ponto para entendermos o contraponto? É verdade: apesar de Platão amar a arte, repudiava com veemência sua banalização pelos artistas de seu tempo, em especial pelos poetas trágicos, por sempre jogarem sobre os deuses a responsabilidade pelas ações dos homens!

 

Para Platão a arte tinha potencial para tornar o Homem divino, imortal, mas só quando servisse de instrumento pedagógico à filosofia, por isso tinha problemas com a arte de seu tempo, que para ele era medíocre e sem alma, sem essência, vazia; desprovida de um propósito elevado em uma Atenas que necessitava cada vez mais de cidadãos comprometidos com a razão e com o seu papel na polis – devemos nos lembrar de que aqueles deuses que hoje para nós não passam de mito, de ficção em versos, para o povo de seu tempo constituíam uma verdade religiosa com a qual ele tinha que travar batalhas diárias em nome da razão e da ética.

 

É por tudo isso que alguém poderia ver uma grande dissonância entre o tema de Platão e o nosso, pois ele acreditava que a arte não deveria ser livre e que deveria ser controlada pelos filósofos a fim de cumprir seu papel arrebatador na sociedade!

 

Não devemos nos esquecer de que essa é uma visão de seu tempo, limitada a um contexto de escravidão, xenofobia e misoginia. Era um mundo de grandes desigualdades sociais e certamente os helenos não eram aqueles patronos da justiça e da liberdade que acreditavam ser!

 

Mas o tempo passou e o mundo evoluiu: hoje usamos a religião de seu tempo apenas como mito, como metáfora dentro da Poesia ou como tema para as outras formas de arte. E dentro da espiritualidade contemporânea, tão diversa, vemos na arte um espírito renovado: hoje a arte pode ter alma! Afinal, independente do estilo, das regras e do tema, a arte precisa ter alma!

 

Assim sendo, quando digo que vejo muito da Academia de Platão em nossa Academia é porque vejo a todos nós em uma posição privilegiada na história, e assim podemos ver a Academia em outro contexto, ou seja, com os olhos de um artista contemporâneo e não com os olhos de um filósofo grego da antiguidade, obviamente! Vejo nossa Academia como uma harmoniosa variação contemporânea de um tema antigo!

 

Estamos, sim, em uma posição privilegiada na história, pois temos à nossa disposição milênios de conhecimento acumulado e compartilhado, responsáveis pelo grande avanço científico, tecnológico e humanístico dos últimos séculos. Pisando o presente, podemos olhar para trás e para frente, conciliando o antigo com o novo a cada passo. Falando de Poesia, é esse andar elegante e único que move meu Ser, que me faz escrever livre de grilhões rimados e metrificados, flertando com os estilos modernistas e contemporâneos que envolvem a juventude do meu corpo, mas fiel à ancianidade da minha alma, que apaixonada recita Poesia Clássica e tragédias gregas ao meu coração – perdoe-me, Platão!

 

É justamente pelo que o grande filósofo pensava dos poetas, que nos cabe a nobre missão de redimi-los perante ele, mostrar-lhe que podemos ser mais que rimas e métricas, que podemos ser o tipo de artista que ele sonhou! O que não conseguiram fazer nem mesmo os grandes poetas do seu tempo, certamente é missão ambiciosa e árdua – talvez arrogante e quimérica – para nós que nos consideramos muito abaixo deles, que nos colocamos a seus pés, mas somos a voz jovem da Poesia para um mundo novo nesse caótico Novo Mundo, com ideias e sentimentos que ressoam do peito à nossa língua em cantos que ecoam pela ALB e encantam até o Velho Mundo não só em terras portuguesas, mas também em terras suíças, inspirando corações e mentes com o canto e a graça do Cortejo de Apolo! É uma tarefa não para os mestres antigos, presos aos seus contextos e às suas limitações geográficas e sociopolíticas, mas para nós (inspirados por eles), os aprendizes modernos, modernistas, pós-modernos, livres-pensadores em um contexto pós-revolucionário de inovação e evolução, cidadãos não de uma polis gestante de um embrião de democracia e liberdade, mas cidadãos do mundo, um mundo globalizado – falamos sua língua! Ao nos inspirarmos em milênios de arte literária acumulada, ao “traduzirmos” as línguas mortas dos poetas clássicos para a linguagem viva da Poesia contemporânea, nela insuflamos aquela alma velha que viaja nos arquétipos através das eras, e assim temos uma Poesia plena de essência, com espírito renovado, capaz de tocar o coração das pessoas de forma singular! De nada servem a tinta e a pena se esta não é soprada pelo poeta para fazê-la voar através do tempo e do espaço a fim de ganhar vida! O sopro do poeta é o fôlego da Poesia!

 

Como bem sabem meus nobres confrades, a Academia de Letras do Brasil – ALB foi fundada no dia 02 de dezembro de 2001 com a finalidade de servir à literatura nacional como uma urgente e necessária alternativa à tradicional Academia Brasileira de Letras, restrita a apenas 40 cadeiras em um país com mais de 200 milhões de habitantes distribuídos em um território bem vasto. Apesar de nascer como uma Academia de ressonância nacional, a ALB cresceu, rompeu a barreira titânica do Oceano, rompeu a barreira do idioma e alcançou terras estrangeiras, tornando-se uma organização internacional de cultura com registro na NGO-ONU e com Registro de Transparência da União Europeia – EU, atuando em países que mantém relações diplomáticas com nosso país e tendo como representante europeia a seccional da Suíça, bastante ativa – vivemos uma fase bem interessante de desenvolvimento, estruturação e consolidação!

 

Além de ser considerada uma Academia Mundial da Ordem de Platão, a ALB se posiciona como “politicamente ativa”, levando-a naturalmente a outra nobre missão: iluminar a escuridão política brasileira, tão profunda quanto o Tártaro grego! Se a Academia conseguisse esse feito tão mítico e sobre-humano – digno da tripulação da Argos, repleta de semideuses –, talvez pudesse redimir os políticos perante Platão, pois ele repudiava os políticos de seu tempo, tão violentos e corruptos! Apesar de me sentir tão descrente quanto o filósofo ao repudiar os políticos de meu tempo pelas mesmas razões – parece que o mundo não muda –, reconheço o alto potencial humanístico dos membros da ALB, então fica aqui o hercúleo desafio!

 

Utopia? Talvez, mas como não sonhar com o futuro ao pensar em nossos membros? Como evitar que um corpo acamado, vitimado pelo câncer da corrupção humana, sonhe em ter seus membros ativos outra vez, prontos para agirem e se moverem novamente pelo mundo, movendo o mundo?

 

É pelos membros que em nossa Academia podemos voltar a sonhar, sonhar o sonho de Platão, senti-lo crescer e evoluir nas mentes e corações desses artistas, cientistas e livres-pensadores que a ALB acolhe e reúne sob sua égide, sejam eles escritores ou não, sejam eles oriundos de universidades ou de sua própria dedicação e talento – no caso dos artistas, devemos nos lembrar de que as universidades não deveriam exigir tanta ciência da arte a ponto desta se perder!

 

É por voar junto às suas almas que a ALB vê no insigne coração ígneo de cada membro – tenha este alma de filósofo, cientista ou artista – o iluminado sonho do Humanismo!

 

Ao reunir esses membros com o fim único de alcançar a sabedoria e transformar a sociedade, nossa Academia consegue unir o que considero a trípode do conhecimento humano: ciência, filosofia e arte!

 

Como já sabemos, a razão filosofa e produz conhecimento, faz ciência e a ciência faz de nós cientistas; mas o que a alma diz, aos brados ou em completo silêncio, o coração – que tudo entende – apenas sente; e é esse sentir do coração que faz a arte, e ela nos torna artistas!

 

E, com todo o respeito aos confrades cientistas, como esse mundo extremamente positivado e fragmentado precisa de arte e de nós, artistas – diria que nem mesmo Platão pôde fugir disso, posto que para fundar sua Academia no bosque consagrado a Atena (sabedoria), foi obrigado pelo Estado a consagrá-la a Apolo e suas musas (arte)!

 

Assim como a razão e a alma (através do coração) precisam estar em harmonia, como artistas precisamos nos unir aos filósofos e cientistas em uma Academia onde sejam cultivados os mais elevados valores humanísticos!

 

O Humanismo vem de toda alma que sonha deliciosamente, que suspira e inspira o peito; que quando tem pesadelos, grita apavorada ao coração!

 

O Humanismo vem daquelas almas luminosas que inspiram o próprio coração a ponto de clarear a própria razão e leva-la a mover o corpo em prol do próximo, respaldada pelo conhecimento científico e pelos ideais filosóficos, mas é através da ARTE que a alma celebra a vida e o Ser Humano;

 

Que o inspira a ouvir aqueles suspiros e gritos da alma que ressoam no peito;

 

Que o leva a cantar e propagar seus ideais como ondas a serem singradas pela consciência (elo entre coração e razão);

 

Que o faz sentir a harmonia dos ideais filosóficos ao dançar a Música das Esferas;

 

Que o faz cinzelar a pedra ao busto e a lapidar as gemas das virtudes que cravejam o coração de ouro fundido;

 

Que o faz redesenhar o mundo, sair do Surrealismo e pintar um novo quadro, por vezes Impressionista ou Expressionista (ainda que Abstrato), a fim de vê-lo sob uma nova perspectiva;

 

Que o faz reescrever em Poesia e Prosa a nossa história!

 

Somos artistas pós-modernos, contemporâneos, e isso nos deixa na vanguarda, à frente de nosso tempo e no front de uma luta pelo conhecimento, justiça e igualdade; uma batalha pelo Ser Humano!

 

Afinal, a razão nos deu conhecimento e ciência, nos deu poder, e assim nos diferenciamos na natureza; mas é a alma, através da arte, que nos diferencia dos demais mortais!

 

Não como deuses, mas como mediadores destes, como instrumentos tocados pelas musas, que tanto nos inspiram!

 

E é pela intimidade com essas divindades do Cortejo de Apolo que o artista corteja o destino com graça desde sua trípode, qual pítia a serpentear entre presente, passado e futuro!

 

Não precisamos da violência dos heróis de outrora para que o nosso nome ressoe através dos séculos, pois nossas almas são luminosas, muito diferentes das meras sombras do imaginário grego antigo!

 

É assim, com esse olhar luzidio e privilegiado que só as almas podem ter sobre o Cosmo e sobre o mundo, sobre deuses e mortais, que o artista tem o poder de transformar e de encantar, de persuadir Caronte, de seduzir o Rei dos Mortos e Perséfone a fim de guiar a humanidade para fora do Hades, intentando o grande feito de obter mais êxito que Orfeu com sua lira em seu sonho desesperado de libertar Eurídice, sem saber (o artista) se terá o mesmo fim do poeta – somente nós sabemos quantas Mênades nos perseguem pelos caminhos da vida e tentam despedaçar-nos!

 

Esta Academia não faz de nós deuses, mas nos alimenta com ambrosia para que nossas almas possam seguir seu caminho sobre o dorso de Gaia, com delicados passos sem fim; para que nossas almas sintam-se verdadeiramente vivas!

 

Esta Academia não faz de nós deuses, mas é o cálice de Hebe no Olimpo onde humildemente bebemos o néctar da imortalidade, o qual chamamos ARTE!

 

Esta Academia não faz de nós deuses, mas nos torna IMORTAIS!

 

Muito obrigado!

 

 

Cáceres-MT, 02 de abril de 2016.

 

Jair F. da Silva Jr.


Publicado por Jair F da Silva Jr em 10/04/2016 às 19h36
Copyright © 2016. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.

 OBRA    BLOG 
 
Voltar ao início
 
MURAL DE AVISOS:
 
- Para lerem meus NOVOS POEMAS PUBLICADOS ("Noites de Sônia", "O Preço de Um Poema" e "Dolores Novi Dominatrix Mundi"), cliquem aquiaqui e aqui

- Acessem meu Blog e saibam mais sobre minha posse como Imortal da Academia de Letras do Brasil - ALB.

 
Dicionário online:


Para pesquisar sobre assuntos gerais e mitológicos:
 

teste

Para pesquisar sobre mitologia:

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
Digite aqui o assunto que deseja procurar dentro do Site e aperte a tecla "Enter" ou clique no botão "Pesquisar": Copyright © 2013. Todos os direitos reservados sobre todo o conteúdo do site. É proibida a cópia, reprodução, distribuição, exibição, criação de obras derivadas e uso comercial sem a minha prévia permissão.
 OBRA         BLOG